O ser humano ao se mostrar aos outros ele pode TRANSPARECER ser algo que não é, ele pode FINGIR ser algo que gostaria de ser e acima de tudo ele pode SER o que os outros não querem, não aceitam ou não concordam, pela simples inexistência de respeito perante a diversidade. Ser, Transparecer ou Fingir ser, em qual dessas etapas será que esse blog me qualifica?!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Vem logo, tá frio...



- Alô? 
- Oi, não fala nada, só escuta. Sim, tenho plena consciência de que são 2:32 da manhã, ou melhor da madrugada, e que você odeia que te acordem. Sei também que você tá com o coração acelerado porque como sempre, o toque do seu celular é estridente. Mas olha, estou fazendo tudo isso por um bom motivo. Lembra da minha amiga, a Gabriela? Então, ela me apresentou um cara tão lindo, tão inteligente, alto, másculo, e que usa meias referente aos pares. Ele tem dois cachorros dóceis, e mora em um apartamento no centro de São Paulo que é ma-ra-vi-lho-so. Mas antes que você pense que eu liguei pra fazer ciúmes, eu liguei porque eu vim aqui pra sacada fumar, e comecei a chorar. Tava passando ”P.S: eu te amo” na tv por assinatura, e sabe, eu lembrei de quando deitei no sofá com você, e reparei que você usava uma meia de cada par. Você chorou igual criança assistindo, até que aquelas suas duas cachorras monstras resolveram brigar por causa daquele bichinho de pelúcia verde, que você apelidou de melequinha. Olha só, que coisa estúpida, eu fumando. Fumando porque quero parecer mais cool e mais descolada, mas estou chorando porque lembrei que  o melequinha era tão engraçadinho. Tá vendo? Eu sou uma burra. Mas você, você também é. Burro por me deixar ir embora, burro por não lutar por mim. Te juro que só mais um pedido para que eu ficasse, eu ficava, e ficava pra sempre! Mas você, como sempre, disse que eu já era grande demais pra decidir o que fazer da vida. Mas vida, que vida? Vida sem você? Não    existe. O cheiro desse cara que a Gabi me apresentou é de perfume importado, você sabe o quando sou tarada por perfumes. Mas eu largaria esse cheiro de Paris ou de banco de couro de carro novo, não importa, pelo seu cheiro de cebolas, após uma tentativa frustrada de um jantar romântico. Tô chorando mais ainda. Por que você não me pega no colo, diz a ele que sou sua, e me leva pra sua casinha, meu indie, hippie, sei lá, que tem cheiro de lavanda, hein? Hein? Já se passaram 6 meses, vi suas atualizações nas redes sociais. Vi você começando e terminando relacionamentos como quem começa e termina uma barra de chocolate. E eu não falei nada. Quer dizer, até agora, porque você é um idiota, sabe que me ama e não faz porcaria nenhuma. Mas enfim, além de estar fumando e chorando, eu também tô bebendo. Bebendo muito, mas nem assim esqueço. Você sabe o quanto me faz falta? Todos os poemas de Vinicius me lembram você, e os toques, os sorrisos, as piadas, são tão sem graça se não há você do meu lado, bagunçando meu cabelo e mordendo meu pescoço. Mas tá bom, tô falando demais, né? Você ainda tá aí? Tô falando tanto e nem reparei se a sua respiração tá no outro lado da linha 

- Tô respirando sim (risos).
- (risos) Que bom então. Desculpa te acordar, te dizer tudo isso, na verdade, eu só tô um pouco cansada, esquece o que eu disse, eu nem gosto mais de voc …
- Que horas te busco?
- Agora.
- Tô indo, te amo.
- Vem logo, tá frio. Amo você também.

(autor desconhecido)

domingo, 25 de dezembro de 2011

:|


Queria simplesmente, por um dia, me entende!


Os nãos da vida diante de um grande Sonho!



Um sonho, dois “nãos”.
Um sonho, persistir, três “nãos”.
Um sonho, persistir, nunca desistir, quatro “nãos” e um basta!

Tempo. Parar (Parar ≠ Desistir). Medo

Um sonho, mais um não. Uma queda( punição por ter parado ou por ter continuado?!). Medo.

Cansaço. Medo (Medo de parar ou medo de continuar e sofrer mais?)

                                                             Tempo...

               /                                                   |                                                   \
Sonho esquecido                           Sonho desistido                            Sonho persistido
            |                                                      |                                                     |
   Vida Normal                                   Frustração                                           Não
            Não
            Não
            Não
            Não
            Não
            Não
               |
        SIM!!! – Viver realizado depois de vencer sobre lágrimas e suor, cansaço e medo, “sins” e “nãos”! Viver ao realizar um grande sonho!



By.: Ingrid Vita

sábado, 24 de dezembro de 2011

Então é Natal

Falar o quê do Natal?
Do capitalismo? Do nascimento de Cristo, o real motivo? As compras? As famílias reunidas? O repetitismo ou renovação?  
Todo mundo sabe o que é natal, sabe suas criticas, seus clichês, seus exageros, seus eufemismos ou até mesmo sua beleza... E todo esse pacote que vem com as festas de final de ano. E eu o que sei? Sei o que sinto, na verdade, sei o que deixo de sentir. Nessa época eu costumo parar de uma forma estranha, é como se todos estivessem ou alegres demais ou tristes demais, criticando ou se deleitando com o Natal. Eu tristemente ouso dizer, que não sinto nada. Nem de bom nem de ruim. Apenas gosto de simplesmente OLHAR.


É como se eu fosse uma mera expectadora, olhando tudo e a todos. Sento em um canto, me calo e logo me esquecem, pra mim isso é ótimo, me deixa livre pra sentir o ambiente e viajar em meus pensamentos de perceber as pessoas. Vejo as senhoras sentada na sala conversando sobre banalidades, geralmente doenças, netos, coisas... Não me atenho a esses detalhes, meu olhar de forma hiperativa, vai em busca de outros focos, de outros detalhes, de outras vidas... Vejo a criança tímida na barra da saia da mãe olhando invejosamente as outras crianças brincar, enquanto seu interior espera ansiosamente que uma delas a chame para brincar também, mas logo um dos mais velhos grita com as crianças, manda ficarem quietinhas pra não sujar a roupa, como numa melancolia forçada, todas sentam, mas logo inventam uma nova brincadeira e quando veem já estão rodando pela casa, novamente, rindo e fazendo mais barulho que a TV e as conversas juntas, a mães se juntam na cozinha, preparando a tão desejada ceia enquanto conversam coisas do lar ou do trabalho, os mais jovens bebem e conversam, rindo muito. O dono, jovem, da casa se tranca no quarto, em seu computador resolve se esconder, até a mãe bater e força-lo a fazer sala, falar com as visitas, mesmo que isso signifique constrangimento latente. O pai, anfitrião, de forma cativante fala com todos, rir e se junta com seus amigos e conhecidos. Logo tudo se torna uma grande família, cada um vai se juntando em suas respectivas panelinhas, seja por idade, assunto ou interesses... Tudo acaba se encaixando, tudo acaba representando o que é o Natal em seus detalhes espontâneos, um misto de tudo, onde no tudo temos o caos em sua ordem bem determinada.


Mas o natal não é só isso... Essa é apenas uma das parcelas de natais que observei, almejo ver mais... Quem sabe próximo ano eu veja e aprenda mais sobre natais!



Feliz Natal a todos! xD

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

--'


Nem a favor nem contra!



          "O coração é imparcial; a mente sempre é parcial. A mente sempre é partidária, sectária, a favor disto e contra aquilo. O coração não é nem a favor nem contra. O coração está simplesmente aberto, receptivo, acolhedor.  Ele não tem inimigos nem amigos; apenas a mente tem inimigos e amigos. “inteligência” significa imparcialidade. Somente então você pode ser inteligente.

            Se você é parcial, não é inteligente. Você pode dar a impressão de ser sofisticado, instruído, lógico, mas não é sábio, não é realmente inteligente. A inteligência se caracteriza por não ser preconceituosa, parcial, com sentimentos a favor ou contra, pois somente assim você pode olhar para o todo."
(A nova alquimia)



terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Tenho medo!

Lembre-se que você não está sozinho. Vai com você a própria Trindade que habita a profundezas do seu ser.

"Não tenhas medo!Não! Não estais sozinho!
Vai contigo quem te pode curar,
Vai contigo quem te pode salvar."

(Pe. Daniel Ange)

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Finais


Sabe... Agora acho que estou conseguindo entender os exageros dos livros, as irrealidades dos contos e os dramas dos romances... Aquela falta de ar, as borboletas que não existem, mas fazem seu estomago embrulhar, as pernas bambas mesmo para aqueles que conseguem se fixar dignamente no solo... 

Não sei o que me aconteceu... Mas parece que tudo isso me veio de repente e não quer sair... Essa vontade de te ter, esse desejo de te beijar, sem parar, e essa ânsia por abraça-lo... E sabe o que é pior? Que descobri como é sentir, querer e desejar sem poder, não porque minha família impede, mas por que parece que sempre vai ser errado, mesmo me parecendo tão certo. Estranho né?! Sempre li nos livros que no fim todos têm direito a ser felizes, todos os verdadeiros casais se encontram e ficam juntos... Será que sou a vilã? E quando foi que me tornei a vilã? Quando decidi te amar? ... Se sou a vilã, decido neste exato momento que NÃO QUERO MAIS, desisto de ser vilã, me arrependo, quero meu final feliz, ou ao menos próximo disso... Mas por favor... Não me peça pra desistir desse amor, já tentei antes, JURO QUE JÁ TENTEI, não DÁ, é impossível, quando penso que já desisti que já esqueci, algo me lembra e volta tudo de uma só vez, como uma onda gigante que inunda meu ser com todos os antigos e já "esquecidos" sentimentos, parecendo até que nada aconteceu, ninguém tentou esquecer... Parece que nada nunca muda. 

Talvez eu precise de uma decepção. Mas ai se for uma decepção forçada vai macular tudo que cultivei tão puramente no meu ser, vai danificar de uma forma única a pureza de um amor. PRONTO, feito! Me decepcionei, lágrimas foram derramadas... Mas ainda tá lá... O que eu sinto por ti, continua lá, sendo que agora em vez de um coração como qualquer outro, tenho um coração que sangra e bate insistindo em ainda te amar. Não sei o que fazer... Não quero ser vilã, mas preciso deste amor.

Talvez seja exagero... Talvez eu ainda não seja uma vilã... E que apenas ainda não tenha chegado o MEU final... e que eu preciso ainda sofrer, perder, correr para perceber que o que vem fácil, vai mais fácil ainda e que para que tudo vá realmente valer a pena mais na frente eu preciso aprender pra compreender... Talvez essa seja a simples verdade que eu não tinha entendido ainda... Talvez meu final simplesmente não tenha chegado... AINDA.
(Ingrid Vita)

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Aquela dos livros


O Que Nao Se Pode Explicar Aos Normais. Catedral

Sobre o amor e o desamor, sobre a paixão
Sobre ficar, sobre desejar, como saber te amar?
Sobre querer, sobre entender, sem esquecer
Sobre a verdade e a ilusão
Quem afinal é você?
Quem de nós vai mostrar realmente o que quer?
Um coração nesse furacão, ilhado onde estiver.
O meu querer é complicado demais,
Quero o que não se pode explicar aos normais.
Sobre o porquê de tantos porquês,
E responder
Entre a razão e a emoção eu escolhi você!

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O amor real é secreto

"O amor mais contundente é o que não precisa ser visto para existir. E continuará sendo feito apesar de não ser reparado.

O amor real é secreto. É conservar um pouco de amor platônico dentro do amor correspondido."
(Fabrício Carpinejar)

Essa realmente vai pra um certo alguém.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

A isso eu chamo paz...



Paz é fazer a última prova do mês,
largar do mundo e se perder, num sítio talvez.


E entre as colunas da varanda em uma rede deitar,
escutar o balançar das folhas em uma espera calma e ritmada da chuva chegar! (Ingrid Vita)


Inspiração no Sítio de Seu Pedro, o lugar onde a chuva me fez parar!

sábado, 26 de novembro de 2011


"Mesmo num amor de linhas tortas como o nosso...

 

...O fim parece um erro...


... Como um ponto final no meio da frase." 

(Gabito Nunes) 

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Só peço isso...


"Me faz um favor... 







Um bem pequeno... Não esquece de mim não! ... Mesmo quando a gente não se falar, mesmo quando tudo tiver dificil, mesmo quando não tiver assunto... Não me deixa me perder de ti!
 Só peço isso..." ( Ingrid Vita)


Será que só?



Solidão não é ausência de pessoas.




Solidão é estado de espírito!




...Qual meu estado de espirito hoje? ... Só! (Ingrid Vita)





domingo, 30 de outubro de 2011

Querer!


No fundo no fundo... Temia-se o encontro de tais corpos... Excitados e desejosos de um amor que não acabava, só aumentava, ardia e queria. (Ingrid Vita)

O que fazer quando o seu querer é tão grande que já não cabe no seu ser?! 

E depois sempre me vem esses textos...


Por isso sou tão teimosa nessa minha insegurança. Porque na verdade acredito muito no seu amor, acredito até mais do que eu sou capaz de logicamente acreditar, tenho medo porque sei que se você gritar “pula”, eu pularei com todo medo do mundo, mas com uma confiança única que jamais serei capaz de imaginar, pularei, correrei e voarei ao teu encontro, temendo tudo, mas ao mesmo tempo jogando tudo para o alto, por um sonho, o sonho de te amar incondicionalmente, sem temores vãos. Tem uma voz que me diz que você sempre estará no final do abismo para me segurar, mesmo que no final do percurso você desista e não me queira mais, você vai me segurar, por respeito ao grande amor que um dia nós tivemos, e depois com um beijo na testa, vais dizer adeus, voltar para o seu mundo, eu vou te apertar em um abraço, mas vou te deixar ir, e depois voltar ao meu cotidiano, te amando sempre, desse nosso jeitinho único, diferente, meio louco, um tanto desencontrado, mas só nosso. (Ingrid Vita)

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Eles estão por aí...




ELE anda cansado das baladas e dos casos furtivos sem sentimentos. Aprendeu a gostar da própria companhia, sem precisar estar em uma turma de amigos todos os sábados. Decidiu que quer um amor verdadeiro… que pode nem ser eterno, mas que traga um sabor doce às suas manhãs, que seja a melhor companhia para olhar a lua. Que ele possa exibir os seus dons na cozinha e o seu conhecimento em vinhos, só para ela.
Quer uma mulher que ele reconheça pelo cheiro dos cabelos, pelo toque dos dedos, pela gargalhada que vai ecoar pela casa transformando um domingo sem graça, no melhor dia da semana. Quer viver uma paixão tranqüila e turbulenta de desejos… quer ter para quem voltar depois de estar com os amigos, sem precisar ficar “caçando” companhias vazias e encontros efêmeros. Quer deitar no tapete da sala e ficar observando enquanto ela, de short jeans, camiseta e um rabo de cavalo, lê um livro no sofá, quer deitar na cama desejando que ela saia do banho com uma lingerie de tirar o fôlego.
Quer brincar de guerra de travesseiros, até que o perdedor vá até a cozinha pegar água. Quer o poder que nenhum dos seus super heróis da infância tiveram… o poder de amar sem medo, sem perigo e sem ir embora no dia seguinte.
Quer provar que pode fazer essa mulher feliz!



ELA quase deixou de acreditar que seria possível ter vontade de se envolver novamente. Foram tantas dores, finais, recomeços e frustrações que pensou em seguir sozinha para não mais se machucar. Então percebeu que a vida de solteira já não está fazendo tanto sentido. Decidiu que quer um amor verdadeiro… que pode nem ser eterno, mas que possa acordá-la com um abraço que fará o seu dia feliz, quer um homem que ela possa cuidar e amar sem receios de que está sendo enganada. Quer a alegria dos finais de semana juntinhos, as expectativas dos planos construídos, o grito de “gol” estremecendo a casa quando o time dele estiver ganhando… a cumplicidade em dividir os segredos.
Quer observá-lo sem camisa, lendo o jornal na varanda… quer reclamar da bagunça no banheiro, rindo e gritando quando ele revidar puxando-a para o chuveiro, completamente vestida.
Quer a certeza de abrir a porta de casa e saber que mesmo ele não estando, chegará a qualquer momento trazendo o brigadeiro da doceria que ela gosta tanto. Quer beijar, cheirar, morder, beliscar e apertar para ter certeza que a felicidade está ali mesmo… materializada nele.
Quer provar que pode fazer esse homem feliz!



ELES estão por aí… sonhando um com o outro… talvez ainda nem se conheçam… mas é só uma questão de tempo, até o destino unir essas vidas que se complementam e estão ávidas para amar e fazer o outro feliz.
Ou alguém duvida que o universo traz aquilo que desejamos?

De: Stephanie Moreira

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Lascando-se


Sabe um dos sinais pra saber que você está ferradamente apaixonado (a)...?






Quando você se pega encaixando todas as músicas de amor na história do seu amor... E o pior é que sempre se encaixa, identifica-se e sente que a música é sua e foi feita pra vocês... O problema não está em uma música isolada... Mas a partir do momento que você encontra todasssss que se encaixam. (I. Vita)

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

#FATO


No lar dos pensamentos... Minha casa!


"Foi então que eu descobri. Ele está exatamente no mesmo lugar que eu agora, pensando as mesmas coisas, com preguiça de ir nos mesmos lugares furados e ver gente boba, com a mesma dúvida entre arriscar mais uma vez e voltar pra casa vazio ou continuar embaixo do edredon lendo mais algumas páginas do seu mundo perfeito. A verdade é que as pessoas de verdade estão em casa. Não é triste pensar que quanto mais interessante uma pessoa é, menor a chance de você vê-la andando por aí?"

(Tati Bernardi)

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

#FATO


Será que tenho ciúmes?


Digo para todos que não tenho ciúmes, digo que nem sei o que é isso, me nego a admitir ter tal sentimento, isso é para os fracos, aqueles que temem perder algo que nunca tiveram, aqueles que não se garantem, aqueles que dependem demais, aqueles que não sabem se controlar. Me nego a dizer que tenho ciúmes e admitir todas essas fraquezas. 

Mas sabe o que é pior?

Sou fraca...

Porque nunca deixo ou deixarei transparecer nada disso, nunca realmente admitirei que tenho tal sentimento, nunca saberão o que se passa na minha mente, nunca imaginarão que dentro me acabo em uma explosão ridícula de possessividade, choro, grito, esperneio, xingo, bato e espanco, aqueles que ousam tentar tirar o que acredito ser apenas meu, não gosto quando tocam aquilo que só eu posso tocar, não gosto que conversem sem minha presença ,ou pior ainda, sem minha permissão, não deixo que brinquem com aqueles que me fazem rir unicamente, não quero que beijem, toquem ou abracem aqueles que eu coloquei minha plaquinha invisível "propriedade minha, não toque! Não chegue perto! De preferencia, sai de perto!".

E quando tudo isso acontece? E quando tudo isso explode dentro de mim... O que faço?

Dou um meio sorriso, me calo, ignoro e vou embora... Imaginando o que eles estão fazendo sem mim... Querendo me fazer presente, mostrar que alí é meu território... Mas minha razão não deixa, meu orgulho me impede e minha sabedoria grita...que "Quem tentar possuir uma flor, verá sua beleza murchando. Mas quem apenas olhar uma flor num campo, permanecerá para sempre com ela. Você nunca será minha e por isso terei você para sempre." (Paulo Coelho)
(Ingrid Vita)




sábado, 1 de outubro de 2011

#FATO


Não pude deixar de postar por que eu já vi isso pessoalmente! Fazer o quê, né?...

Auto sabotagem




-Estou me machucando muito esses dias...

-E quem ta fazendo isso? (Pra eu te defender!)

-Eu...o pior de tudo...eu mesma. (Como me defender da minha auto-sabotagem?!)
(I. Vita)

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Vai sendo...




Ás vezes o amor me parece com tão muito e as vezes com tão pouco que me deixa confusa e me faz ter várias opiniões sobre o amor...Umas severas, outras brandas... genericas, relativas, exatas ou equivocadas e assim vai sendo... (Ingrid vita)


Agora uma sacana...

Agora...Uma um tanto sacana só pra quebrar a melosidade do romance brega... Para aqueles que buscam "amor"* perfeito e não percebem que o "amor" perfeito é aquele "amor" mais imperfeito, aquele que todos dizem que nunca vai dar certo...esses são os verdadeiros, pois estão acima de quaisquer falsas aparências, pois não querem provar nada, nem pro orkut ou face ou qualquer rede social, existe apenas existindo, sem conceitos ou conselhos... (I. Vita)

Traição é Traição, Romance é Romance
Amor é Amor e um Lance é um Lance...

Sou foda na cama te esculacho
Na sala ou no quarto no beco
Ou no carro...
Eu sou sinistro melhor que seu marido
Esculacho seu amigo
Na cama eu sou um Perigo...
Avassalador um cara Interessante
Esculacho seu amante até o seu
Ficante...
Mais não se esqueça que eu sou
Vagabundo depois que a putaria
Começou rolar no mundo...
Pra ti enlouquecer
Pra ti enlouquecer
Todas todas que provaram não
Conseguem esquecer.
(Sou foda)

*Por que no fundo no fundo amor de verdade só existe UM, o amor de Deus...Ousam dizer que tem dois o amor de mãe e de pai...mas até os pais hoje em dia fazem atrocidades, amor não existe...só o de Deus! #FATO. (sem generalizações!)

Tempo Ao Tempo > Jorge e Mateus


Aquele momento em que você acha que tudo foi esquecido e que o tempo conseguiu dar um jeito em todos os sentimentos, mas como uma bala tudo volta e acerta seu peito, não como antes, nunca da mesma intensidade...mas ainda assim está lá...Se debatendo levemente antes de morrer, mas será que realmente vai morrer, será que no fim esse sentimento para de insistir em , ainda , viver em seu peito, e se resigna a morrer dignamente...Com o tempo...??? (Ingrid Vita)


Você já percebeu que quando eu te vejo eu perco o chão,
Que o simples fato de te ouvir me faz perder toda a razão,
Quando você chega minha mão transpira
Minha mente pira eu já nem sei o que fazer

Já vi que esse lance tá ficando chato
Pois até meus atos não consigo mais conter
Não Ligo se você nem tá ligando
Nem tão pouco se importando, mesmo assim vou te dizer

Já dei tempo ao tempo
Mas o tempo não me ajuda
Se tento te esquecer
Só faço te querer
Ta no meu pensamento, sentimento que não muda
To louco para te ver só quero amar você
  (Tempo Ao Tempo - Jorge e Mateus)


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Lar FIXO...



Certo dia minha irmã agoniada pelo fato de eu ter me mudado de novo falou quase que instantaneamente ao descobrir: “Aff, tu vive se mudando.”, no mesmo dia em que minha amiga perguntou mais afobada ainda “Migs, porque tu não tens um lar fixo?!”.


 Ri muito de ambas, e respondi... Que quem gosta da mesmice se cansa do tédio... , costumo dizer que eu sou do mundo. Quem é do mundo no fundo no fundo sente que todo cantinho é seu, seja um parque favorito, seja uma árvore que você sempre senta embaixo, seja uma lanchonete que você conhece a todos pelo nome, pode ser um luxuoso hotel ou uma casa de amigo, caindo aos pedaços, tudo no fundo vai me pertencendo, pois no momento em que eu vivo ali, mesmo que minimamente aquele momento vai fazer parte de mim, para sempre, nas minhas lembranças... Logo, será MEU para sempre! Quanto ao lugar fixo... eu tenho e não tenho, tenho a casa dos meus pais, sinto que sempre me pertencerá, e sempre terei meu quarto, minhas coisas e serei sempre bem vinda...mas já não vejo como um lar fixo, vejo como o meu lar de apoio principal...Talvez um dia eu ache um lar fixo só meu, talvez nunca ache tal lugar, mas enquanto isso não se resolve...vou vivendo no mundo, nas andanças da vida, um dia aqui, outro, acolá... Quem sabe onde vou parar?!(Ingrid Vita)

sábado, 17 de setembro de 2011

Proteges-me


 
Deus, me proteja de mim!...
(e também)
...da MALDADE de gente boa...
...e da BONDADE de gente ruim.


Amém 








sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Soneto da verdadeira amizade

Soneto da verdadeira amizade
 
Não quero um amigo só pra “horas felizes”;
Nem só ajudando a colher minhas flores;
E sim que me ajude a tirar meus espinhos
E sim que me ajude a sanar minhas dores.
 
Pra que em dias nefandos, ardiz, infelizes,
Eu possa contar com seus grandes penhores.
Pra que, perpassando em meus falhos caminhos
Me evite os tropeços e meus dissabores
 
Não quero um amigo soberbo, egoísta
Que a própria sombra falseia, despista,
Que afaga e apunhala com mãos de impudor...
 
Eu quero um amigo que conheça em meu rosto
O trejeito incisivo do amargo desgosto
E entenda em meus olhos o brilho da dor!
(Fabiano Moraes dos santos) 

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Tô com saudade de velhice...

Saudade de coisas velhas e antigas, de costumes passados e de situações que só pude viver antes de perceber que realmente eu já tinha crescido e que tinha perdido quando eu ainda era criança. 

Sinto falta do cheiro de café do coador que exalava na cozinha da minha avó, sinto falta das brincadeiras de rua ao olhar atento dos mais velhos que sentados na calçada e suas cadeiras de balanço, conversavam, ficavam em silêncio, liam e tricotavam, vez  por outra passava um vizinho e por nome todos se conheciam, alguns eram compadres outros inimigos, todos sabiam a descendência de todos, antes o fator família importava, a família queria e prezava por tê-la, alguns erravam, uns eram expulsos, depois voltavam, outros não voltavam iam embora como filhos pródigos. Sinto falta da autoridade e frieza do meu avô, onde um único olhar bastava para todos os netos ficarem quietos e da brandura da minha avó que consolava a todos e explicava o que realmente aquele olhar significa: olhar de amor-disciplina, e pedia que todos fossem dá um beijo de boa noite nele, me lembro de que a gente morria de medo e ia, meu avó dava a bênção, e não falava nada a mais, sua frieza não permitia, mas certo dia, eu consegui  ver um sorriso tímido e feliz de um canto de boca, enquanto todos os netos saiam de seu quarto, acho que esse era um sorriso-amor-disciplina. 

Sinto falta de brincar de boneca, chá de cozinha, onde gente pequena queria ser gente grande... Até chegar àquela bola de futebol dos garotos que estragava a brincadeira, fruto de um chute mal mirado ou proposital, que quebra e bagunça tudo e toda a brincadeira das menininhas. Logo em seguida estão meninas correndo atrás de meninos pra bater e ensinar uma bela lição, um que sempre ficava pra trás, por ser lento, é pego e leva a surra das meninas por todos os meninos, até que chega o reforço, meninos com sapos da lagoa do outro lado da linha do trem, aquele que no final de semana todos iam ,escondidos dos pais, tomar banho, todas as meninas correm com medo e largam o “saco de pancadas”, mas sempre tem uma que não tem medo de sapo e fica, pra brigar, e num piscar de olhos tudo isso da margem pra brincar de esconde-esconde ou policia e ladrão, logo já não se sabe o que gerou a confusão inicial e não se separa mais em dois grupos: de meninos e meninas, e sim, em um único grupo, amigos de rua. Mas um sempre cai e se machuca e fica de fora só olhando, ou ignora o machucado e volta pra brincadeira, e no fim do dia, depois de futebol misto, corrida, bola de gude, pega-pega, baleada, conversas... Sempre as mães se juntam e uma a uma vem chamando seus respectivos filhos, seja pra tomar banho ou pra jantar, mas antes de entrar em casa sempre leva a velha bronca “você está imundo, o que andou fazendo, porque não fica quietinho?!Vou falar pro seu pai quando chegar!”.

A janta tem gosto de comida feita em panela de barro, com tempero caseiro e com muito amor materno, toda posta organizadamente, o pai chega e é uma festa, crianças correm pra um abraço eufórico e diário, a mãe acompanha atrás, um beijo meigo faz um sorriso sair dos lábios de ambos, as crianças jantam e como num cansaço justificado caem adormecidos no sofá enquanto o pai assiste o jornal abraçado com sua dama, e desligando a tv ambos levam um por um ao quarto, devagar pra não acordar, mas depois com direito a um beijo forte para que sintam o poder de um beijo que protege contra todos os maus sonhos... 

Minha velhice era essa... Infantil e pura. Existia TV, mas ela não me saciava, o que me saciava era correr pra casa dos meus avós, brincar com meus amigos de bairro, fugir de encrenca, chorar quando cair, assoprar joelho ralado, roubar manga do pé, nadar em lago proibido, empinar pipa, curiar na brecha das portas, bolar um plano pra pegar os doces mais gostosos e escondidos pela minha avó, levar cachorrinhos de rua pra dentro de casa, levar bronca e ter de devolver pra rua, criar clubinhos, comer jabuticaba do pé, correr descalço, levar bronca, fugir de casa, se esconder na esquina, esperar anoitecer e desistir, voltando pra casa faminta, dia de chuva que significava tedio em casa, ficar doente e receber a turma toda que implorava, inutilmente, para que minha mãe deixasse sair pra brincar, sorrisos... Lembranças, simplicidade e cumplicidade... Eu tive! Não quero que volte... Quero apenas lembrar... Da minha velhice quando ainda era criança.

(Ingrid Vita)

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Ser feliz? Não sei explicar...




Minha felicidade não se explica, apenas se vive, ou ela esta e não vejo ou ela não está mas mesmo assim a sinto... Mesmo quando choro sei que ela está lá, rindo das minhas lágrimas ingênuas... Porque ser feliz vai muito além do conceito de ser ou estar, apenas é por ser! E eu vou seguindo apenas vivendo essa felicidade inexplicavel! 

Ingrid Vita

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Simplesmente entenda as entrelinhas!


Irônia = Ciúmes.
Frieza
= Decepção.
Vergonha
= Amor.
Imbecilidade = Felicidade.
Sono = Tristeza.
Sarcasmo = Impaciência.
Ignorância =
Desprezo.